Contagem se mobiliza contra o abuso e a exploração sexual de crianças e adolescentes PDF Imprimir E-mail
Qua, 29 de Maio de 2019 14:31

O Dia Nacio­nal de Com­ba­te ao A­buso e à Explo­ra­ção ­Sexual de Crian­ças e Ado­les­cen­tes, ins­ti­tuí­do pela Lei nº 9.970, de 17 de maio de 2000, foi mar­ca­do por mani­fes­tos de cunho ­social em Con­ta­gem. A Pre­fei­tu­ra, a fim de cha­mar a aten­ção da socie­da­de quan­to aos cri­mes de vio­la­ção de direi­tos e explo­ra­ção ­sexual infan­to­ju­ve­nil, pro­mo­veu ações na cida­de. A coor­de­na­ção ficou a cargo da Secre­ta­ria de Desen­vol­vi­men­to ­Social, por meio da Comis­são Per­ma­nen­te de Erra­di­ca­ção do Tra­ba­lho Infan­til (Com­pe­ti).
Com o tema "Faça Boni­to", a cam­pa­nha de cons­cien­ti­za­ção tem como sím­bo­lo a flor ama­re­la, que faz refe­rên­cia ao cui­da­do e pro­te­ção. Duran­te toda sema­na, foram pro­mo­vi­das pales­tras em esco­las e pra­ças públi­cas, cami­nha­das e pan­fle­ta­gem em diver­sas ruas do muni­cí­pio, a exem­plo de Nova Con­ta­gem, regio­nal Var­gem das Flo­res.
Para a secre­tá­ria de De­sen­vol­vi­men­to ­Social, Luzia Fer­rei­ra, é indis­pen­sá­vel a par­ti­ci­pa­ção do poder públi­co nes­sas ações de pro­te­ção e pro­mo­ção da cida­da­nia: "Nosso obje­ti­vo é dar voz e empo­de­rar as crian­ças e ado­les­cen­tes para que pos­sam, no seu dia a dia, iden­ti­fi­car casos de vio­la­ção de direi­tos. E que pos­sam bus­car ajuda no ambien­te esco­lar, com seu pro­fes­sor, seja aces­san­do os con­se­lhos tute­la­res ou fazen­do denún­cias atra­vés do Dis­que 100. Esse mani­fes­to é impor­tan­te por­que, além de cons­cien­ti­zar, esta­mos mobi­li­zan­do toda a popu­la­ção a con­ti­nuar esse tra­ba­lho, em con­jun­to com toda a rede de pro­te­ção cria­da para com­ba­ter essas vio­la­ções".
A coor­de­na­do­ra do Creas Var­gem das Flo­res, Adria­na Timó­teo, rela­tou o quan­to os resul­ta­dos do tra­ba­lho são posi­ti­vos: "Cada uma das pes­soas de diver­sos ­órgãos e ins­tân­cias do muni­cí­pio que par­ti­ci­pa­ram tanto da cons­tru­ção, quan­to do fecha­men­to desse tra­ba­lho abri­lhan­tou de algu­ma forma essa ação. É um exem­plo de tra­ba­lho em rede. Diver­sos encon­tros já foram rea­li­za­dos nas esco­las com os alu­nos e pro­fes­so­res para que a mar­cha fizes­se sen­ti­do".
Adria­na Timó­teo reve­lou que a maio­ria dos casos de assé­dio ocor­rem onde menos se espe­ra. "O abuso ­sexual é uma das vio­lên­cias mais vela­das, ou seja, ocor­re den­tro das pró­prias famí­lias e mui­tas pes­soas, por medo, não denun­ciam. É isso que pre­ci­sa­mos com­ba­ter. Com base nisso, eu digo que exis­tem ­várias mãos cons­truin­do a pro­te­ção", obser­vou.
Para o dire­tor da Esco­la Muni­ci­pal Gio­va­ni­ni Chio­di, Joel de Souza, a cul­mi­nân­cia dessa ação é a cons­tru­ção em prol da cida­da­nia. "O tra­ba­lho da esco­la junto ao poder públi­co se une a ­outras ins­ti­tui­ções, decla­ran­do que luta­mos pela mesma causa, rea­li­zan­do um impor­tan­te tra­ba­lho de pre­ven­ção no dia a dia dos nos­sos estu­dan­tes. E com essa ação abri­mos e divi­di­mos essa res­pon­sa­bi­li­da­de com a comu­ni­da­de, cha­man­do-a a par­ti­ci­par desse ato de pre­ven­ção ao abuso e explo­ra­ção ­sexual de nos­sas crian­ças e ado­les­cen­tes. A socie­da­de pre­ci­sa dar as mãos com a esco­la nesse ato pela cida­da­nia e pro­te­ção e fazer boni­to, como expli­ca o tema da cam­pa­nha", enfa­ti­zou.
A mobi­li­za­ção foi rea­li­za­da pela rede do Sis­te­ma de Garan­tia de Direi­tos, pelos téc­ni­cos do Cen­tro de Refe­rên­cia Espe­cia­li­za­do da Assis­tên­cia ­Social (Creas), Cen­tro de Refe­rên­cia de Assis­tên­cia ­Social (Cras), Con­se­lhos Tute­la­res, secre­ta­rias muni­ci­pais de Saúde e Edu­ca­ção, Guar­da Civil de Con­ta­gem, Polí­cia Mili­tar e ins­ti­tui­ções não gover­na­men­tais.
O Dis­que 100 é um ser­vi­ço gra­tui­to que regis­tra denún­cias anô­ni­mas de ­jovens que se sin­tam amea­ça­dos ou que sofre­ram qual­quer tipo de abuso ou explo­ra­ção ­sexual.